“COMPANHEIRA ME AJUDE QUE EU NÃO POSSO ANDAR SÓ, EU SOZINHA ANDO BEM, MAS COM VOCÊ ANDO MELHOR…”

   E foi assim, nessa energia indescritível, que ACONTECEU! No último feriadão do mês de outubro (12,13,14 e 15), vivenciamos nosso tão esperado II ENCONTRO NACIONAL DO BAQUE MULHER em Recife! Foram dias intensos de troca, aprendizado, união e empoderamento feminino.

   Mas, antes mesmo de nos reencontrarmos no dia 12, início dessa corajosa história, muitas pessoas (homens e mulheres) se dispuseram solidariamente e voluntariamente para participar da organização deste evento e fazer acontecer esses quatro deliciosos dias. Foram essas, pessoas da comunidade do Bode e também de outros estados, que passaram meses nos preparativos e também no trabalho diário durante o encontro para que tudo acontecesse dentro do planejado apesar de todos os desafios enfrentados no caminho.

   Então, antes de tudo, deixamos nosso reconhecimento e GRATIDÃO à essa equipe sensacional! Agradecemos também a Escola Estadual Delmiro Golveia por abrirem as portas e acolherem tão amorosamente mais de 100 mulheres de todo o Brasil! Isso mesmo… fomos muitas! Mulheres de diferentes idades e realidades, todas (re)unidas em um mesmo objetivo: nos fortalecermos e nos empoderarmos enquanto mulheres que se colocam no mundo através da voz de seus tambores.

   Em nossa primeira noite na quinta do dia 12, tivemos o privilégio de mergulhar de cabeça em uma incrível oficina de expressão corporal ministrada por uma das precursoras do Baque mulher: a dançarina Nefertite Coutinho. Experienciamos momentos de conexão de sentimentos, de toques e olhares, enquanto nossa fala estava sendo verbalizada através de nossos corpos. Após essa linda iniciação, partimos reconectadas para a nossa primeira oficina do Baque Mulher, em que tocamos, cantamos e vibramos junto ao axé de nossa Mestra Joana.

   Pela manhã de sexta, dia 13, seguido de nosso café da manhã, seguimos para nossa segunda oficina do Baque Mulher, ministrada por Mestra Joana e suas educadoras sociais, sendo essas jovens educadoras da Comunidade do Bode que passaram por uma formação educacional/pedagógica e se responsabilizaram em serem multiplicadoras desse saber. De baixo de sol, as tantas guerreiras de fé vestiram a camisa rosa e laranja e aproveitaram cada momento de aprendizado e reafirmação da força feminina.

   No período da tarde, logo após o almoço, o Ateliê da Mestra Joana abriu espaço para lojinhas de batuqueiras empreendedoras no intuito de fortalecer o empreendedorismo feminino. Estavam presentes as marcas Pingo de Ouro, Birô Criativo, Deym Enfeites D’Axé e Odoyá Itens Artesanais. As batuqueiras puderam desfrutar das belezas artesanais de peças feitas a mão com muito amor e axé.

   Também se prepararam para receberem as convidadas que tomaram a mesa para nossa esperada roda de dialógos que trouxe o tema “Poder Feminino: a mulher que eu sou”. Dentre as convidadas estavam: a Mediadora Paula Guedes, a Secretária Municipal da Mulher Cida Pedrosa, a Capitã Lúcia Helena, a Secretária Municipal da Cultura Lêda Alves, a Mestra Denise Botelho, a Bióloga Lindacy Assis, a Doutora Valdenice Raimundo, Mãe Elza de Iemanjá e Mestra Joana, além da presença poderosa das Mães do Pina. Com histórias de emocionar, com discursos de resistência e força, as convidadas comoveram toda platéia, que riram, choraram e vibraram a troca compartilhada. (Confira esse momento histórico no link: https://www.youtube.com/watch?v=KyQE23GPt1c) Logo a noite, as guerreiras de fé dançaram e divertiram no Barracatu na Nação do Maracatu Porto Rico no Bar Pinga Pinga com o pessoal da Noite do Vinil, que contou com a presença de Mamão de Xambá.

   Na manhã do sábado, dia 14, seguimos para o terceiro dia de oficinas do Baque Mulher. Mais uma vez as guerreiras de fé mostraram sua garra e determinação sempre com a energia e o sorriso no rosto. O cansaço nunca chegou a superar o êxtase de tocar entre irmãs. A força verbalizada em cantos femininos reverberava para além dos muros escolares. 

   Logo após o ensaio, foi a vez das fundadoras contarem sobre suas histórias em uma mesa de diálogos. Mestra Joana convidou a mesa a Yabá Tenily Guian, a dançarina Nefertiti Coutinho, a educadora Mariana Bianchi, a porta estandarte Leleu, e a batuqueira Andréa. Lembrou também das guerreiras fundadoras de outros estados como Glória, Roberta, Carol, Soraia, Lorena entre outras mulheres. Cada uma trouxe um pouquinho de sua experiência e vivencia dentro do maracatu e dentro do Baque Mulher. Em seguida anunciou e apresentou todas as jovens transformadoras sociais que estavam assumindo a responsabilidade de serem multiplicadoras e educadoras das crianças do Encantinho (Baque Mirim do Encanto do Pina) e das meninas do Baque Mulher. São elas: Maria, Elba, Erivannia, Duda, Leorrany, Juju, Diana, Ylana, Marcela, Drika, Raquel e Sandrinha. Todas também tiveram a voz e puderam passar um pouquinho das mulheres que elas eram e o que o Baque Mulher representava na vida de cada uma. Foram momentos tão maravilhosos… de choro, de alegria, de sororidade, de resistência e de momentos em que o feminismo verdadeiramente estava na prática. Emoções que ainda estão sendo sentidas e elaboradas. Mestra Joana disse: “essa roda de diálogos é pra gente se sentir a vontade, pois estamos entre as nossas, é para falarmos mesmo, sem medo ou vergonha”. E a partir dai, os medos e receios foram sendo superados e os sentimentos foram se transformando em palavras.

   Após o almoço, as guerreiras tiveram algumas horas livres para irem a praia, passear na cidade ou simplesmente descansarem para a maravilhosa apresentação do Baque Mulher de Recife com as magníficas mulheres do Voz Nagô e em seguida o espetáculo de dança produzido pela Cia Maktub e Nefertiti Estúdio de Dança em parceria com o Baque Mulher: “A Corda Maria Bonita”, que estava por vir.

   Teatro repleto de mulheres, as Mães do Pina na primeira fileira e o Baque Mulher de Recife se apresenta com as vozes da Abertura do Carnaval de Recife. Voz Nagô é composto por seis mulheres, excelentes cantoras, que lutam pelo direito das mulheres, das mulheres negras, das mulheres periféricas e também lutam pelo direito das manifestações afro religiosas. Foi simplesmente sensacional! Em seguida as dançarinas da Cia Maktub invadiram o palco com uma apresentação extremamente intensa e provocadora. Com uma trilha sonora de arrepiar, tocada por Mestra Joana, Tenily Guian, Mariana Bianchi, Roberta e Adele, as dançarinas trouxeram a tona, através de interpretações impecáveis, revelações de toda uma sociedade machista que aprisiona e silencia de uma forma ou de outra todas as mulheres, mas que também trouxeram o poder da união, das lutas diárias, com vitórias e superações para um grandioso despertar da força feminina.

   Em nosso último dia de encontro, mas uma vez a união fez a força. Todas as guerreiras se uniram logo pela manhã para organizarem a escola para a entrega do espaço no dia seguinte. A festa continuou com um almoço delicioso preparado no Yle Axé Oxum Deym, sede da Nação de Maracatu Encanto do Pina e Baque Mulher. As batuqueiras confraternizaram e logo se encontraram no Ylê Axé Oxossí Guangoubira para iniciarem o cortejo de encerramento pelas ruas da Comunidade do Bode, chegando até a Rua Osvaldo Machado. Superadas e vencidas todas as intolerâncias religiosas e machismos encontrados no caminho, o Baque Mulher chega em seu destino e faz uma linda apresentação junto com a cantora Karina Spinelli.

   As Mães do Pina e todas as homenageadas estavam presentes e foram chamadas uma a uma para subir ao palco e receber um presente todo especial em forma de reconhecimento e respeito. Entre elas estavam: Yabassé Mãe Carminha de Oxum, Vó Maria da Quixaba, Mãe Elda de Oxossi Guangoubira, Mãe Enezia de Oxum Sobê, Mãe Tania de Oyá, Mãe Célia de Oyá, Mãe Laura de Xangô Aganju, Mãe Helena de Xangô Tundê, Mãe Maria de Oxum Deym, Yakekê Mãe Joana de Oxum Yjimu, Batuqueira Glória Cunha, e Batuqueira e coordenadora pedagógica Mariana Bianchi. Finalizamos a tocada com o Baque Mulher de Recife e encerramos nosso encontro com muita festa e animação! 

   Este encontro passou, comemoramos 9 anos de Baque Mulher e já estamos nos preparando para o III Encontro! Lembrando que tudo, cada detalhe, cada ideia, cada passo, cada superação, cada movimento foi feito e realizado com a presença e energia de Jhayanna. Esse baque e essa história é e sempre será por ela!

Axé!!